Em discurso durante um culto da Assembleia de Deus na cidade de Boa Vista, em Roraima, nesta terça-feira (26), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil está “na iminência de ter um pastor ministro do Supremo Tribunal Federal”. Bolsonaro fazia referência a André Mendonça, pastor presbiteriano e indicado pelo presidente a uma vaga no STF.

Apesar do otimismo do chefe do Planalto, a tramitação para a nomeação de Mendonça segue “congelada” no Senado Federal desde julho. O senador Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça, é o responsável pelo atraso deliberado da sabatina de Mendonça.

– Estamos, se Deus quiser, na iminência de ter um pastor ministro do Supremo Tribunal Federal. Uma pessoa que tem um currículo invejável, que tenho conversado com ele de há muito, que sabe das dificuldades não para passar na sabatina – que ele passa com nota quase 10 –, mas da dificuldade, na votação secreta, de ter seu tome aprovado – afirmou Bolsonaro.

Ainda segundo o presidente, a escolha de Mendonça tem a função de “levar a paz” para dentro do STF – instituição com a qual Bolsonaro tem tido atritos.

– Ele não quer, nem eu quero, perseguir ninguém dentro do Supremo Tribunal Federal. Não queremos perseguir ninguém. Queremos é levar a paz lá para dentro, o equilíbrio. Essas pautas sobre conservadorismo o tempo todo estão dentro daquela Casa – argumentou.

O presidente também destacou a proximidade com o aliado, com quem, segundo Bolsonaro, “tem tomado tubaína há dois anos”. O presidente afirmou que Mendonça se comprometeu a iniciar a primeira sessão da semana com uma oração e se encontrar com ele para um almoço pelo menos uma vez por mês.

Fonte: Pleno News