Padre Kelmon se filia ao PRTB para disputar a Prefeitura de SP

Após um fevereiro turbulento em que a pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo pelo PRD (Partido Renovação Democrática) se dissolveu em meio a negações e desavenças, o ex-candidato à Presidência Padre Kelmon encontrou abrigo em um novo partido: o PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro).

Em um anúncio nas redes sociais, Kelmon agradeceu à presidente do PRTB, Rachel de Carvalho, pela acolhida e oficializou sua pré-candidatura pela legenda. A mudança de partido, segundo ele, se deu em resposta à falta de receptividade no PRD. “Se o presidente do partido está dizendo isso, ele está querendo dizer que o Padre Kelmon procure outra casa. Então, eu vou procurar”, disse Kelmon ao Estadão em fevereiro.

O “chamado do povo” e a busca por um partido acolhedor

Ainda em fevereiro, Kelmon havia declarado sua pré-candidatura pelo PRD, alegando que se tratava de um “chamado do povo de São Paulo”. A sigla, no entanto, negou ter autorizado a candidatura e afirmou que o assunto sequer havia sido discutido internamente. Diante da recusa do PRD, Kelmon partiu em busca de um novo lar político, encontrando-o no PRTB.

PRTB: a nova casa de Kelmon na corrida pela capital paulista

O PRTB, presidido por Rachel de Carvalho, acolheu Kelmon e sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo. A legenda, de direita e com o combate à corrupção como principal bandeira, se encaixa nas posições políticas do religioso conservador.

Padre Kelmon: um nome controverso na disputa pela Prefeitura

A candidatura de Kelmon à Prefeitura de São Paulo promete ser polarizada. O religioso, conhecido por suas participações nos debates da corrida presidencial de 2022, defende valores tradicionais e pautas conservadoras. Sua trajetória controversa, marcada por declarações polêmicas e questionamentos sobre sua ligação com a Igreja Ortodoxa, certamente gerará debates acalorados durante a campanha.

O futuro da pré-candidatura: desafios e próximos passos

Embora tenha encontrado um novo partido, Kelmon ainda precisa oficializar sua candidatura pelo PRTB. O processo interno da legenda definirá se ele será o candidato oficial do partido na disputa pela Prefeitura de São Paulo.

Com as eleições previstas para outubro de 2024, o caminho até o pleito será marcado por desafios e indefinições. A viabilidade da candidatura de Kelmon dependerá de sua capacidade de mobilizar o eleitorado e superar as controvérsias que o cercam.

Bruno Rigacci

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies