A equipe de comunicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) espera que os próximos shows e festivais, principalmente o Rock in Rio, sirvam como comícios informais para impulsionar a candidatura de Lula para a Presidência.

De acordo com o colunista Guilherme Amado, do portal Metrópoles, a coordenação da campanha entende que o petista dependerá muito do engajamento de artistas e de influenciadores digitais para contra-atacar a força do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas redes sociais.

A equipe tem como base a edição deste ano do Lollapalooza, realizada em março, que foi marcada por manifestações a favor de Lula.

À época, o Partido Liberal, do presidente Bolsonaro, acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por suposta propaganda eleitoral antecipada. Como resultado, o ministro Raul Araújo vetou as manifestações políticas no festival e instituiu multa de R$ 50.000,00 por ato de descumprimento. A decisão gerou reação por parte de artistas.

O CEO do festival, Luis Justo, já se adiantou e afirmou que atos de cunho político não serão proibidos no Rock in Rio, pois o Brasil é uma democracia. Ele destacou, porém, que o evento manterá neutralidade. O festival ocorrerá em setembro, um mês antes das eleições.

Também há expectativas que outras apresentações fora do festival de artistas populares no Brasil possam fazer declarações em apoio ao candidato pelo PT. O partido espera, por exemplo, que Zeca Pagodinho repita o gesto feito por Caetano Veloso no último dia 7, quando levantou uma bandeira com o rosto de Lula durante show em São Paulo.

Outro exemplo foi da cantora Luísa Sonza que, em um show também no dia 7, desfilou no palco enrolada com uma toalha estampada com a figura do petista.

Fonte: Pleno News