Após ter seu visto cancelado pela segunda vez na Austrália nesta sexta-feira (14), Novak Djokovic terá o seu futuro no Grand Slam de Melbourne decidido em uma audiência prevista para o domingo (16). Os advogados do tenista apresentaram um recurso contra a decisão do ministro da imigração australiana, Alex Hawke, que queria a deportação imediata do atleta.

A defesa de Djokovic também criticou o cancelamento do visto. As informações são do Globoesporte.com.

– O Sr. Hawke escolheu remover da Austrália um homem de boa reputação e prejudicar sua carreira por causa dos comentários que Djokovic fez em 2020. Ele não tem base racional para dizer que a decisão que toma é para evitar maior sentimento antivacina, que ele está tentando minimizar. É patentemente irracional que Djokovic excite o sentimento antivacinação. É uma abordagem radicalmente nova do governo federal – disse o advogado Nicholas Wood.

Ainda segundo o representante do tenista, apesar de ter se posicionado publicamente contrário à obrigatoriedade da vacina anticovid, Djokovic não fez campanha contra a vacinação.

O juiz Anthony Kelly, que está à frente do caso, permitiu que o tenista número 1 do mundo não seja detido imediatamente. Djokovic deverá ser interrogado de novo pelos oficiais de imigração neste sábado (15), antes da audiência prevista para o domingo, na Corte Federal da Austrália.

Fonte: Pleno News