A Câmara dos Deputados retomou os trabalhos presenciais no último dia 25 de outubro, com a adoção da exigência da apresentação da carteira de vacinação contra a Covid-19, o chamado passaporte sanitário. De acordo com Guilherme Amado, do Metrópoles, a Casa afirmou à coluna nesta sexta-feira (29) que a medida vale para todos, incluindo o presidente Jair Bolsonaro.

A medida atendeu a um pedido da oposição, formalizado pelas bancadas do PSOL, PT, PSB, PDT, Rede e PCdoB. Funcionários que apresentam o documento recebem um pequeno adesivo para o crachá.

De acordo com órgão, parlamentares ou servidores têm a opção de apresentar um laudo laboratorial que comprove a imunização, em vez do comprovante de vacinação.

Por mais de uma vez, Jair Bolsonaro afirmou que não se vacinou e que tampouco pretende fazê-lo. A ultima declaração foi em um evento na última semana.

– Nós jamais defenderemos a obrigatoriedade da vacina. Não tomei a vacina Quem quiser seguir o meu exemplo, que siga. Quem não quiser, que não siga. Isso é exemplo de liberdade – ressaltou o chefe do Executivo.

Na Câmara dos Deputados, além do passaporte sanitário foram adotadas as medidas de praxe como aferição da temperatura e uso de máscara.

Fonte: Pleno News