Após ter o indiciamento pedido pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 por quatro crimes, o deputado federal e líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, afirmou que irá processar o presidente e o relator da Comissão.

O relatório final da CPI, apresentado nesta quarta-feira (20), possui um capítulo inteiro dedicado às denúncias contra Barros, citando a suposta corrupção na tentativa de aquisição das vacinas indianas Covaxin. Os senadores acusam o deputado de incitação ao crime, advocacia administrativa, formação de organização criminosa e improbidade administrativa.

– O senador [Renan Calheiros] insiste por questão moral. Ele insiste nisso, mas [a denúncia] não terá fundamento – disse o deputado em entrevista à rádio Jovem Pan.

Barros detalhou que “Renan Calheiros será processado por abuso de autoridade e por denunciação caluniosa. O Omar Aziz [será processado] porque suspendeu minha oitiva sem justa causa e me deu cerceamento de defesa, impedindo de esclarecer coisas que escreveram no relatório”.

– Eles impediram minha fala na CPI porque eu destruí a narrativa deles com documentos, eles perceberam que não era vantagem continuar me ouvindo – afirmou.

Sobre as denúncias, o deputado afirmou que não há nenhum fato novo e afirmou, inclusive, que as cinco primeiras páginas do capítulo dedicado ao seu nome, são cópias de uma ação que já corre no Ministério Público.

– Minha relação com a Covaxin foi negada, 12 pessoas foram ouvidas, todas negaram meu envolvimento – concluiu.

Fonte: Pleno News