Durante evento em São Roque de Minas (MG) nesta segunda-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro teceu críticas ao passaporte sanitário e defendeu que “não se pode perseguir quem quer que seja por não ter tomado vacina”.

– Não se pode perseguir quem quer que seja por não ter tomado vacina. Temos alguns estados que estão com essa sanha, exigir a carteira de vacinação para poder frequentar um ou outro local – declarou.

De acordo com o chefe do Executivo, ainda que ele tenha o poder para decretar a medida, não o fará.

– Eu tenho poder, por decreto, [para] exigir o passaporte da vacina, mas não farei isso, porque a nossa liberdade está acima de tudo – afirmou o presidente.

Em seu discurso, Bolsonaro citou casos de pessoas vacinas que contraíram a Covid-19, como os ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Tereza Cristina (Agricultura) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) – ou até mesmo que faleceram, como o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos Colin Powell, que faleceu nesta segunda-feira.

– Deixar bem claro para vocês, o nosso ministro Queiroga estava vacinado e contraiu o vírus. Assim [como] a Tereza Cristina, assim [como] meu filho Eduardo. Assim [como] tanta e tanta gente. Assim como o ex-chefe de Estado norte-americano Colin Powell, vacinado com a Janssen ou com a Moderna, acabou de falecer por Covid. Essa questão do Covid é uma grande interrogação – concluiu.

Fonte: Pleno News