Antes de iniciar a motociata em Porto Alegre, neste sábado (10), o presidente Jair Bolsonaro reforçou que sua intenção é defender a democracia a qualquer custo. A declaração surge em meio conflitos com o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral e árduo defensor da urna eletrônica.

No vídeo, Bolsonaro amenizou o tom que vem usando esta semana contra os críticos do voto impresso e auditável.

– O simbolismo disso aqui [motociata] é a nossa liberdade, e o nosso compromisso com a democracia, não abriremos mão da nossa democracia, da nossa liberdade e de todos os direitos garantidos pela nossa constituição. Quem pensa o contrário está no caminho errado – disse Bolsonaro.

O discurso também serve de reposta a líderes políticos, que acusaram o presidente de querer impedir as eleições do ano que vem caso não seja implementada a urna auditável. Esta semana, Bolsonaro chegou a dizer: “Ou temos eleições limpas, ou não temos eleições”.

A declaração foi recebida com indignação pelo ministro Barroso, autoridade máxima do TSE.

– A realização de eleições, na data prevista na Constituição, é pressuposto do regime democrático. Qualquer atuação no sentido de impedir a sua ocorrência viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade – ameaçou o presidente do TSE em nota.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também se manifestou.

– Todo aquele que pretender algum retrocesso ao Estado democrático de direito, esteja certo, será apontado pelo povo brasileiro e pela história como inimigo da nação. As eleições são inegociáveis – afirmou, em referência ao que chamou de “especulações sobre 2022”.

Fonte: Pleno News