Áudios de Mauro Cid expõem PF e Moraes: “Narrativa pronta”

Áudios divulgados pela revista Veja nesta quinta-feira (21) trazem acusações graves feitas pelo tenente-coronel Mauro Cid contra a Polícia Federal (PF) e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

O ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirma que foi induzido a corroborar declarações de testemunhas e que um dos delegados o constrangeu a reproduzir informações específicas sob ameaça de perder os benefícios do acordo de delação premiada.

– Eles [os policiais] queriam que eu falasse coisa que eu não sei, que não aconteceu. Você pode falar o que quiser. Eles não aceitavam e discutiam. E discutiam que a minha versão não era a verdadeira, que não podia ter sido assim, que eu estava mentindo – afirma Cid.

O militar também teria reclamado a pessoas próximas que suas declarações foram distorcidas, com informações tiradas de contexto e outras convenientemente omitidas pela PF. Ele afirmou que os delegados só incluíram na delação relatos que se encaixavam com a “narrativa” da PF.

– Eu vou dizer o que eu senti: já estão com a narrativa pronta deles, é só fechar – desabafa o tenente-coronel.

Na conversa, Mauro Cid também diz que Alexandre de Moraes já tem a sentença pronta e que tem o desejo de prender “todo mundo”.

– Alexandre de Moraes já tem a sentença dele pronta, acho que essa é a grande verdade. Ele já tem a sentença dele pronta. Só tá esperando passar um tempo. O momento que ele achar conveniente, denuncia todo mundo, o PGR acata, aceita e ele prende todo mundo.

E continua:

– O Alexandre de Moraes é a lei. Ele prende, ele solta, quando ele quiser, como ele quiser. Com Ministério Público, sem Ministério Público, com acusação, sem acusação.

Em outros áudios, o ex-ajudante de ordens mostra que está insatisfeito por ser o mais prejudicado. Cita as doações de Pix para Jair Bolsonaro e afirma que o ex-presidente ficou “milionário”, enquanto ele sofreu muitas perdas.

Cid também se mostra preocupado com quantos anos de prisão os aliados de Bolsonaro serão condenados, já que os acusados do 8 de janeiro foram condenados a 17 anos.

*Pleno News

Bruno Rigacci

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies