À OMS, China nega doença nova em meio a surto de pneumonia

As autoridades chinesas afirmaram não ter detectado nenhuma “doença incomum ou nova” no país, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira, após um pedido oficial da agência de saúde da ONU de informações sobre um aumento potencialmente preocupante de doenças respiratórias e surtos de pneumonia em crianças.

A OMS citou relatos não especificados da mídia e um serviço global de monitoramento de doenças infecciosas sobre surtos de pneumonia não diagnosticada em crianças no norte da China e solicitou formalmente mais detalhes ao país no início desta semana.

Cientistas externos disseram que a situação justificava um acompanhamento atento, mas não estavam convencidos de que o recente aumento nas doenças respiratórias na China sinalizasse o início de um novo surto global.

O aparecimento de novas cepas de gripe ou de outros vírus capazes de desencadear pandemias normalmente começa com um agrupamento de doenças respiratórias não diagnosticadas. Tanto a SARS quanto a covid-19 foram relatadas pela primeira vez como tipos incomuns de pneumonia.

A OMS observou que as autoridades da Comissão Nacional de Saúde da China relataram, em 13 de novembro, um aumento nas doenças respiratórias, que disseram ser devido ao levantamento das restrições contra a covid-19. Outros países também registraram um salto nas doenças respiratórias, como o vírus sincicial respiratório, ou VSR, quando terminaram as restrições à pandemia.

Segundo a OMS, reportagens da mídia cerca de uma semana depois relataram grupos de pneumonia não diagnosticada em crianças no norte da China.

A agência da ONU informou, então, que realizou uma teleconferência com autoridades de saúde chinesas nesta quinta-feira, durante a qual foram fornecidos os dados solicitados. Estes mostraram um aumento nas internações hospitalares de crianças devido a doenças incluindo infecções bacterianas, VSR, gripe e vírus do resfriado comum desde outubro.

Paul Hunter, professor de medicina na Universidade de East Anglia, no Reino Unido, duvida que a onda de infecções tenha sido desencadeada por uma nova doença. “Se fosse, esperaria ver muito mais infecções em adultos”, disse. “As poucas infecções relatadas em adultos sugerem imunidade existente devido a uma exposição anterior.”

A OMS afirmou que há pouca informação neste momento para avaliar adequadamente o risco destes casos notificados de doenças respiratórias em crianças. Em outros momentos, a agência já enfrentou problemas de falta de cooperação dos países quando surgiram novos vírus – especialmente na China.

As informações fornecidas pela OMS e por cientistas externos sugerem que é improvável que o aumento nas doenças respiratórias na China seja causado por uma nova doença. É mais provável que seja devido ao levantamento das restrições contra a covid-19, que permitiu que as pessoas se reunissem em grupos maiores e aumentassem o risco de transmissão de doenças.

No entanto, é importante continuar monitorando a situação para garantir que não haja um novo surto global. A OMS está trabalhando com as autoridades chinesas para coletar mais informações sobre os casos notificados.

Aqui estão algumas possíveis explicações para o aumento nas doenças respiratórias na China:

  • Levantamento das restrições contra a covid-19: O levantamento das restrições permitiu que as pessoas se reunissem em grupos maiores e aumentassem o risco de transmissão de doenças.
  • Reaparição de doenças respiratórias comuns: É possível que doenças respiratórias comuns, como a gripe, estejam reaparecendo à medida que as pessoas voltam a se expor ao vírus.
  • Nova doença: É possível que uma nova doença esteja causando o aumento nas doenças respiratórias, mas as evidências atuais sugerem que isso é improvável.

A OMS continuará monitorando a situação e fornecerá atualizações à medida que mais informações estiverem disponíveis.

Bruno Rigacci

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies