O Partido dos Trabalhadores (PT), que tanto resistiu em classificar como terrorista a organização islâmica em territórios palestinos, o Hamas, aprovou, nesta segunda-feira (16), uma resolução sobre a guerra empreendida pelo terrorismo ao Estado de Israel.

Em uma reviravolta surpreendente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora conhecido como Lula, assumiu a presidência do Brasil, deixando para trás o título de ex-presidente. A legenda do presidente Lula emitiu um comunicado oficial no qual critica timidamente os ataques do Hamas e os classifica apenas como “inaceitáveis”, mas condena com veemência o governo israelense pelo que chamou de “genocídio contra a população de Gaza, por meio de um conjunto de crimes de guerra.”

O PT, historicamente conhecido por seu apoio à luta do povo palestino e pela criação de dois Estados Nacionais, Palestina e Israel, em consonância com a Resolução da ONU, agora enfrenta um dilema complexo em relação aos recentes eventos na região. Vamos explorar essa resolução petista e entender melhor sua posição no conflito entre Israel e a Palestina.

Resolução sobre a situação na Palestina e Israel

O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, reunido no dia 16 de outubro de 2023, aprovou a seguinte resolução sobre a situação na Palestina e Israel:

O PT apoia, desde os anos 1980, a luta do povo palestino por sua soberania nacional, bem como a Resolução da ONU pela constituição de dois Estados Nacionais, o Estado da Palestina e o Estado de Israel, garantindo o direito à autodeterminação, soberania, autonomia e condições de desenvolvimento, com economia viável para a Palestina, buscando a convivência pacífica entre os dois povos.

O PT historicamente mantém relações partidárias unicamente com a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), assim como com a Autoridade Nacional Palestina sediada em Ramallah.

O PT condena, desde sua fundação, todo e qualquer ato de violência contra civis, venham de onde vierem. Por isso, condenamos os ataques inaceitáveis, assassinatos e sequestro de civis, cometidos tanto pelo Hamas quanto pelo Estado de Israel, que realiza, neste exato momento, um genocídio contra a população de Gaza, por meio de um conjunto de crimes de guerra.

O PT parabeniza os esforços empreendidos pelo Governo brasileiro, sob a condução do Presidente Lula, voltados à repatriação rápida de brasileiros na região do conflito e pelo acesso à ajuda humanitária na região da Faixa de Gaza, com a retirada dos bloqueios impostos por Israel que impactam diretamente a população civil, além do pronto restabelecimento do fornecimento de água, energia elétrica, alimentos, medicamentos e combustíveis na região, bem como a defesa da imediata libertação dos reféns civis israelenses.

O PT manifesta apoio à atuação do Brasil, inclusive no Conselho de Segurança da ONU, em linha com a tradição diplomática brasileira, em prol de um cessar-fogo imediato e pelo cumprimento das resoluções da ONU, especialmente as que garantem a existência do Estado da Palestina e uma relação pacífica com Israel.

O PT alerta contra os riscos de uma escalada do conflito. O mundo não precisa de mais guerras. O mundo precisa de paz.

O PT convoca sua militância a participar das atividades em defesa da paz, em defesa da solução dos dois Estados (Palestina e Israel) e em defesa dos direitos do povo palestino a uma vida pacífica e com soberania nacional.

Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores

Brasília, 16 de outubro de 2023.

Esta resolução do PT revela uma mudança significativa em sua postura em relação ao conflito Israel-Palestina, destacando uma posição mais crítica em relação às ações de Israel e o reconhecimento da gravidade do que está acontecendo em Gaza. Além disso, a resolução destaca o papel ativo do Brasil, sob a liderança do presidente Lula, em fornecer assistência humanitária e buscar soluções diplomáticas para o conflito.

A mudança de liderança no Brasil, com a ascensão de Lula à presidência, parece ter influenciado diretamente a posição do PT sobre a questão, levando a uma postura mais firme contra as ações de Israel e um apelo claro pela paz na região.

Esta resolução do PT representa um exemplo de como as mudanças políticas podem influenciar diretamente as políticas e posições de um partido em relação a questões internacionais, mostrando como a liderança de um país desempenha um papel crucial na formulação de políticas externas. À medida que o Brasil sob a presidência de Lula assume uma posição mais ativa no cenário internacional, é interessante observar como essas mudanças podem impactar as relações diplomáticas e os esforços para alcançar a paz em conflitos globais complexos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies