O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro (PL), seu principal concorrente na disputa pela Presidência da República, nesta sexta-feira (29), em discurso na convenção nacional do PSB, em Brasília, que oficializou Geraldo Alckmin como vice da chapa.

O petista atacou, principalmente, os questionamentos do atual chefe do Executivo sobre a confiabilidade das urnas eletrônicas e a respeito do sistema eleitoral brasileiro. Para ele, o encontro de Bolsonaro com embaixadores, quando foi lançado suspeitas de fraude nas eleições, foi uma “idiotice”.

– Eu nunca imaginei, nos meus 76 anos, nos meus 50 anos de participação política, que nós veríamos um presidente cometendo a idiotice de chamar os embaixadores de quase 70 países para fazer o pior papel que um presidente pode fazer, que é mentir e vender uma ideia falsa de que, no Brasil, a democracia corre risco por causa das urnas eletrônicas. Justamente ele, que desde 1998 é eleito pela urna – disparou o candidato ao Palácio do Planalto.

O presidenciável também comentou sobre uma possível mudança de planejamento em sua campanha. Ele afirmou que pretende fazer mais atos nas ruas para “não ceder a esse fanfarrão”, novamente em referência a Jair Bolsonaro.

– Tem gente que acha que eu não deva fazer comício, que deva fazer em lugar fechado. Daqui pra frente é tudo em lugar aberto. Temos que ir para as ruas para mostrar que o povo brasileiro quer democracia de verdade. Nós não podemos ceder a esse fanfarrão – completou.

ALCKMIN TAMBÉM ATACA PRESIDENTE
Antes de Lula, discursaram os presidentes de partidos que integram a coligação e o ex-governador Alckmin. O candidato à vice-presidência enfatizou no discurso a crítica a Bolsonaro.

– É sem sombra de dúvida o mais irresponsável e incompetente governo que o Brasil já teve – afirmou.

Segundo o ex-governador, Bolsonaro comete “barbaridades”, não tem “nenhuma sensibilidade” e diz defender a família, mas “ninguém fez mais para arruinar a estabilidade da vida familiar neste país”. Ele também abordou as suspeitas de Bolsonaro ao processo eleitoral.

– Quem alega fraude tem de provar, e quem não prova tem de ser punido pela farsa de acusar. Não vamos cair no jogo da mentira, não vamos nos render às manhas e aos desvarios de um presidente que não quer voltar para casa. É hora de Bolsonaro ir embora por todo o mal que causou ao país – declarou.

Fonte: Pleno News