O mundo político amanheceu em meio a discussões nesta quinta-feira (28). A confusão começou quando o ex-deputado federal Jean Wyllys (PT) ironizou, por meio do Twitter, a candidatura da esposa do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, Rosângela Moro (Republicanos), a Câmara dos Deputados por São Paulo. O ex-juiz também se manifestou em defesa de sua mulher.

Rosângela, ao se oficializar como candidata a deputada federal, destacou o legado da Lava Jato e convocou seus eleitores às urnas.

– Precisamos comparecer às urnas para defender a causa anticorrupção. É a corrupção a mãe de toda a miséria e da falta de recursos para saúde e educação. Por isso, represento e defendo o legado da Lava Jato! Vamos juntos por São Paulo – ilustrou.

Foi nesse momento que o petista, em comentário irônico, rebateu: “O único legado que você representa é o da hipocrisia, cinismo e mentira. Ah, há também o da profunda cafonice”.

Sérgio Moro, então, reagiu ao comentário do petista e chamou o ex-parlamentar de “covarde”. Ironizou ainda o campo político do campeão do BBB5: “Se é da esquerda radical, pode ofender mulheres e não ser tachado de fascista ou misógino?”.

Rosângela Moro também respondeu Wyllys, ironizando o fato do petista não ter concluído seu mandato. Por fim, ela afirmou que “hipocrisia é apoiar político e partido corruptos”.

O ex-parlamentar Jean Wyllys renunciou o mandato no Congresso Nacional em janeiro de 2019, quando foi eleito pelo (PSOL -RJ), após receber diversas ameaças de morte. Na época, Wyllys disse que tiraria férias fora do Brasil, sem falar em qual país, sem previsões de voltar. O parlamentar, que se declara ativista de causa LGBTQIA+, disse em entrevista à revista Carta Capital, em julho deste ano, que voltará ao Brasil caso o ex-presidente Lula (PT) seja eleito.

Fonte: Pleno News