Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux reiterou nesta terça-feira (19) a confiança no processo eleitoral brasileiro e repudiou as críticas do presidente Jair Bolsonaro contra as urnas eletrônicas. Durante encontro com embaixadores de cerca de 40 países diferentes, o chefe do Executivo voltou a questionar a confiabilidade do sistema computadorizado e também defendeu o voto impresso.

– A Fachin, o ministro Fux reiterou confiança total na higidez do processo eleitoral e na integridade dos juízes que compõem o TSE. Em nome do STF, o ministro Fux repudiou que, a cerca de 70 dias das eleições, haja tentativa de se colocar em xeque mediante a comunidade internacional o processo eleitoral e as urnas eletrônicas, que têm garantido a democracia brasileira nas últimas décadas – ilustrou o Supremo.

O ministro, que recusou o convite do pré-candidato à reeleição para comparecer ao evento, e se reuniu por videoconferência com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Edson Fachin. Fachin, em nome do TSE, já havia rebatido as denúncias de Bolsonaro nesta segunda (18).

NOTA DO STF NA ÍNTEGRA
Presidente do STF se reúne com Fachin e manifesta confiança total no processo eleitoral e nos juízes do TSE

Os dois participaram de encontro por videoconferência. Fux repudiou tentativa de colocar urnas em xeque mediante a comunidade internacional.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Luiz Fux, se reuniu por videoconferência no início da tarde desta terça-feira (19) com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin. Na ocasião, os dois conversaram sobre os recentes ataques ao Poder Judiciário e ao processo eleitoral brasileiro.

A Fachin, o Ministro Fux reiterou confiança total na higidez do processo eleitoral e na integridade dos juízes que compõem o TSE.

Em nome do STF, o Ministro Fux repudiou que, a cerca de 70 dias das eleições, haja tentativa de se colocar em xeque mediante a comunidade internacional o processo eleitoral e as urnas eletrônicas, que têm garantido a democracia brasileira nas últimas décadas.

Fonte: Pleno News