O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse neste domingo (17) que o prazo dado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes para que ele explicasse supostos discursos de ódio é uma provocação do magistrado. Na sexta-feira (15), Moraes deu 48 horas para que o presidente se manifestasse a respeito de uma representação movida por partidos de oposição.

– Cara, sexta-feira, dar 48 horas, quer provocar, não quer diálogo, não quer solução – disse ele em entrevista na parte externa do Palácio da Alvorada.

– Como tem um vídeo dele falando “existe gabinete do ódio”… queria que ele apontasse uma matéria que porventura tenha saído do gabinete do ódio – complementou.

Bolsonaro disse que Moraes age através de ameaças.

– Parece que o espírito de Fidel Castro encarnou em alguém aqui no Brasil. Um magistrado não pode agir sob ameaça, tem que agir de acordo com os autos, e ali ele faz seu julgamento, seus questionamentos – afirmou.

O presidente sugeriu ainda que o ministro do STF, que assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em agosto, não busca a conciliação entre os Poderes.

– Ele quer intimidar quem? O que ele está buscando? Ele tá buscando a paz, a tranquilidade, a harmonia entre os poderes? – questionou.

*AE

Fonte: Pleno News