O deputado estadual Danilo Balas (PL-SP) protocolou uma representação no Ministério Público de São Paulo contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT), após o ex-presidente tecer elogios e agradecimentos ao ex-vereador Manoel Eduardo Marinho, também conhecido como Maninho do PT, que ficou preso por sete meses por tentativa de homicídio. Para o parlamentar, o ex-chefe do Executivo pode ter incorrido em incitação e apologia ao crime, durante ato político realizado em Diadema (SP), no último sábado (9).

– Em seu discurso, o ex-presidente Lula agradece uma pessoa por ter agredido outra pessoa, em contraponto ao nosso ordenamento jurídico que veda todo tipo de condutas violentas, incitação a crime, apologia a crime, bem como, exercício arbitrário das próprias razões – diz o texto do documento.

Maninho do PT e seu filho, Leandro Eduardo Marinho, empurraram o empresário Carlos Alberto Bettoni contra o para-choque de um caminhão, no ano de 2018, em frente ao Instituto Lula, no Bairro do Ipiranga, em São Paulo, após uma discussão. A vítima bateu a cabeça, sofrendo traumatismo craniano, e ficou desacordada. Maninho e Leandro não chegaram a prestar socorro.

No discurso em Diadema, Lula agradeceu ao ex-vereador e disse que ele ficou preso por defendê-lo de xingamentos.

– Aqui, há um companheiro que não sei se está presente: é o Maninho. Esse companheiro, o Maninho, por me defender, ficou preso por sete meses. Isso porque resolveu não permitir que um cara ficasse me xingando na porta do Instituto Lula – assinalou o ex-presidente.

Segundo Danilo Balas, o fato se torna ainda mais grave, pois o ex-presidente publicou vídeo da declaração em suas redes sociais.

– Um ex-presidente, com milhares de seguidores, que publica mensagens de elogio a agressão, incentiva militantes a atentarem contra direitos fundamentais, e esse contexto como um todo corresponde a verdadeira afronta aos princípios e direitos mais essenciais e fundamentais existentes – acrescentou Balas.

Deputado estadual Danilo Balas Foto: Arquivo Pessoal

Fonte: Pleno News