O general Walter Braga Netto, pré-candidato a vice do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições de outubro, teria dito a empresários que “não haverá eleição se não for feita a auditoria dos votos”. A informação é da colunista Malu Gaspar, do jornal O Globo.

A declaração teria sido proferida na última sexta-feira (24), durante encontro com empresários da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). A desconfiança a respeito das urnas eletrônicas é defendida pelo chefe do Executivo.

Em nota, o ex-ministro da Defesa e da Casa Civil negou que tenha ameaçado as eleições e alegou que houve uma “má interpretação ou entendimento fora do contexto do interlocutor”.

– Diversas instituições, entre elas o MJSP [Ministério da Justiça e da Segurança Pública] e o MD [Ministério da Defesa], sob a coordenação do TSE [Tribunal Superior Eleitoral], têm adotado as medidas propostas para aperfeiçoar a transparência e a segurança do processo eleitoral – escreveu a assessoria de Braga Netto.

Segundo a nota, a auditagem está prevista em lei.

– Em sua fala, Braga Netto apenas reafirmou a importância desse instrumento para que a confiança no sistema eleitoral seja fortalecida – concluiu.

Braga Netto foi exonerado da assessoria da Presidência da República, o que indica que ele deve ser oficializado como vice de Jair Bolsonaro na chapa. É importante lembrar que, para ser candidato, é necessário se desvincular de cargos no Executivo Federal até o final de junho. A saída foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (1°).

Fonte: Pleno News