Nesta segunda-feira (9), o deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) decidiu acionar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que seja apurado se houve uso de dinheiro público em campanha eleitoral antecipada durante evento que contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar questiona gastos em uma motociata realizada em 15 de abril, em São Paulo.

O evento reuniu milhares de pessoas em São Paulo, além de ex-integrantes do governo, como o o ex-secretário da Pesca, Jorge Seif, o ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o deputado federal Capitão Augusto (PL) e os deputados estaduais Gil Diniz (PL) e Wellington Moura (Republicanos).

Em seu pedido, o deputado citou gastos no cartão corporativo e afirmou que as despesas ultrapassaram R$ 160 mil no dia do evento.

– Excelência, a explosão de gastos registrada não é uma mera coincidência, mas sim a prova do uso dos recursos públicos em atos de campanha, as motociatas, que são um desdobramento das carreatas. (…) Nas duas motociatas, apenas os interesses eleitorais do presidente foram satisfeitos. Trata-se da submissão do interesse público ao privado, pessoal e eleitoral – destacou Vaz, no texto.

Elias Vaz apontou que “os gastos com os cartões corporativos são sigilosos, ou seja, apenas a Presidência e o Tribunal de Contas da União (TCU) têm acesso aos documentos, ninguém mais. Essa é uma conduta inconstitucional e arbitrária que vem sendo adotada pelos governos ao longo dos anos”. Ele lembrou que “a Presidência mantém os gastos com os cartões corporativos sob sigilo absoluto e por isso a fiscalização do Congresso Nacional não poderá ser realizada”.

A petição pode ser vista aqui.

Fonte: Pleno News