O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em todo o estado a partir desta quinta-feira (17). O uso seguirá compulsório em espaços de saúde, como hospitais e UBSs, e nas estações e veículos de transporte coletivo, como no metrô, no trem e nos ônibus.

– Acabo de assinar decreto que libera imediatamente o uso de máscaras em locais fechados em SP. O avanço da vacinação e a queda nas internações e óbitos permitem esta medida. Momento tão esperado depois de dois anos desafiadores. Estou muito feliz! – publicou em rede social.

Em seguida, o tucano citou as restrições ainda vigentes sobre o uso de máscara.

– O uso de máscaras seguirá obrigatório, por enquanto, apenas em unidades de saúde, hospitais e transporte público como ônibus, trens e metrô – concluiu.

AÉCIO DEFENDE QUE PSDB RETIRE APOIO À CANDIDATURA DE DORIA
O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) voltou a defender, nos últimos dias, que o PSDB reavalie a escolha do governador de São Paulo, João Doria, como candidato da sigla ao Palácio do Planalto. De acordo com o parlamentar tucano, não avaliar o nome de Eduardo Leite, derrotado nas prévias da sigla em novembro do ano passado, é “ir para uma morte anunciada”.

– Quem aglutina é o Eduardo [Leite] e avaliar o seu nome é um ato de responsabilidade. Não podemos ir para uma morte anunciada – declarou Aécio, em entrevista concedida ao site Valor Econômico.

O deputado mineiro ainda defendeu que “as prévias não podem ser uma camisa de força para o partido” e que em alguns momentos “o recuo é um imperativo político”. Como exemplo, o tucano lembrou que abriu mão de sua candidatura ao Planalto em 2010.

– Em 2010, percebi que não unia o partido e retirei minha pretensão de concorrer à Presidência, o candidato foi o Serra. Não tem nada pessoal no que eu estou falando, é uma questão política – apontou.

Em outra entrevista, à CNN Brasil, Aécio reforçou a defesa em torno do nome de Eduardo Leite e disse que o atual governador do Rio Grande do Sul seria o nome ideal para “consolidar uma verdadeira terceira via”. O ex-governador de Minas Gerais ainda afirmou que uma possível saída de Leite do PSDB será um “equívoco”.

– Se sair do PSDB, meu amigo Eduardo Leite estará cometendo um grande equívoco. É hora de termos responsabilidade, e o PSDB se não mantiver Leite no quadro e não der a ele condições de ter seu nome avaliado. Veja bem, não acho que tem que ter seu nome escolhido como candidato, mas avaliado por uma força de centro. Aí sim, estaríamos cometendo uma irresponsabilidade – disse.

*Com informações da AE

Fonte: Pleno News