O presidente da França, Emmanuel Macron, se negou a ser submetido a teste PCR de detecção do novo coronavírus na Rússia, antes de encontro com o presidente do país do Leste Europeu, Vladimir Putin, segundo confirmou na última sexta-feira (11) o Kremlin.

– Sim, é isso – respondeu o porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov.

Ele deu declarações durante uma entrevista coletiva, na qual foi perguntado sobre o tema.

O representante do governo evitou dar mais detalhes, mas garantiu que as autoridades da Rússia encaram sem estranheza a vontade de alguns líderes estrangeiros de não serem submetidos a exames PCR realizados por médicos locais.

– Aqui, não há nada de política. Todos compreendem isso perfeitamente, e isso não impede de manter negociações, que é o mais importante – garantiu Peskov.

Na última quinta-feira (10), a imprensa veiculou que Macron não quis realizar teste PCR que era pedido pelo Kremlin, antes de se encontrar com Putin, o que fez com que os dois líderes mantivessem grande distanciamento social, para evitar eventuais contágios.

Fontes do Palácio do Eliseu indicaram que “as condições protocolares que permitiram uma reunião com os dois chefes de Estado, com uma distância menor, não eram aceitáveis, nem compatíveis com os problemas de agenda” de Macron.

As informações obtidas junto a fontes ligadas à presidência francesa não confirmaram ou negaram, segundo indicam veículos de imprensa locais, se a negativa ao teste diz respeito ao desejo de que a Rússia não tenha amostra de seu DNA.

Veículos franceses indicam que Macron fez teste PCR antes de ir para a Rússia e um teste de antígenos no país do Leste Europeu, nos dois casos, conduzidos por profissionais de saúde franceses.

Segundo o Kremlin, quando os interlocutores de Putin não são testados antes de reunião, “é ativado um protocolo de medidas adicionais para proteger a saúde do líder russo e dos convidados”, o que implica em um distanciamento social maior que o habitual.

A reunião entre os dois chefes de governo durou mais de cinco horas e foi seguida de uma entrevista coletiva, também em que foi adotada medida de distanciamento social.

*EFE

Fonte: Pleno News