Após deixar a prisão em novembro de 2019, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a dar declarações frequentes à imprensa. E um dos temas favoritos de Lula é a questão da regulamentação da imprensa.

Um levantamento feito pelo site Poder 360 contabilizou cada uma das vezes em que o petista abordou o assunto. Até o momento, foram nove vez em que o tema foi abordado:

Em 22 de novembro de 2019, ao discursar durante o Congresso Nacional do PT.

– Não pode um grupo familiar decidir sozinho o que é notícia e o que não é, com base unicamente em seus interesses políticos e econômicos. Entendo que democratizar a comunicação não é fechar uma TV, é abrir muitas. É fazer a regulação constitucional que está parada há 31 anos, à espera de um momento de coragem do Congresso Nacional – disse.

Em 20 de agosto de 2021, durante viagem ao Maranhão.

– Ou a gente faz um novo marco regulatório para a comunicação no Brasil ou a gente vai continuar sendo vítima da espoliação de meia dúzia de famílias que mandam na comunicação brasileira. A gente não quer uma regulamentação como a imprensa chinesa não, ou como a imprensa cubana. A gente quer como a imprensa inglesa, a gente quer como a imprensa alemã. A gente quer uma coisa muito bem democrática, mas não pode ser uma democracia que só interessa aos donos dos meios de comunicação – destacou.

Em 21 de agosto de 2021, após visitar o complexo portuário de Pecém, no Ceará.

– É uma coisa que nós temos que voltar a discutir. É preciso atualizar a regulamentação do sistema de comunicação do país. Regulamentar não significa estatizar […] Eu trabalho com a ideia de que nós precisamos fazer uma regulamentação da internet. […] A sociedade tem que participar ativamente para que a gente não possa cometer um ato de censura – apontou.

Em 25 de agosto de 2021, durante viagem ao Rio Grande do Norte.

– Nós vamos definitivamente regular a comunicação nesse país porque vai ser bom para o país, para a economia e vai ser muito melhor e mais saudável para a democracia – afirmou.

Em 26 de agosto de 2021, ao conceder uma entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador , na Bahia (BA).

– Tem alguns setores da imprensa que não querem que eu volte a ser candidato. Porque se eu voltar [a ser presidente] eu vou regular os meios de comunicação deste país – pontuou.

Em 8 de outubro de 2021, durante viagem a Brasília.

– O que se propõe é que em algum momento da história do Congresso Nacional esse tema [regulação da mídia] possa ser debatido. E não é um tema de um presidente da República, é um tema do Congresso – explicou.

Em 19 de outubro de 2021, ao viajar para a Europa.

– Vamos ter que regulamentar as redes sociais, regular a internet, colocar parâmetro – disse.

Em 1º de fevereiro de 2022, ao conceder uma entrevista à Rádio Tupi, do Rio de Janeiro.

– Acho que nós precisamos fazer uma regulamentação da mídia, atualizá-la aos tempos atuais. E não é o presidente da República que faz. É o Congresso Nacional e a sociedade brasileira. Temos a internet, que é preciso regularizar. É uma coisa extraordinária para a sociedade, mas não pode ser um antro de mentiras – ressaltou.

Em 9 de fevereiro de 2022, durante entrevista à rádio Brasil de Campinas, em São Paulo.

– Tem que fazer uma regulação para televisão, rádio. Agora, quem vai fazer? A sociedade. Primeiro através do Congresso Nacional. E o que a gente pode fazer é fomentar o debate na sociedade brasileira. Não é o presidente da República que vai fazer. E agora tem a internet. Você está vendo a confusão na internet […] Não pergunte para mim porque eu não sei como regular, eu não sou especialista nisso. Mas o Brasil deve ter muita gente nas universidades, na sociedade brasileira, que vão saber fazer uma regulação em que a gente não censure, mas em que a gente não permita a libertinagem que tem hoje nos meios de comunicação – destacou.

Fonte: Pleno News