Faltando menos de nove meses para o primeiro turno da eleição para presidente da República, marcado para o dia 2 de outubro de 2022, as pré-candidaturas ao Palácio do Planalto começam a ganhar corpo, e as negociações começam a se intensificar visando ao pleito.

Mesmo com a definição ainda um pouco distante de acontecer, visto que a Justiça Eleitoral determina que o período para os partidos realizarem convenções e decidirem seus candidatos vai de 20 de julho a 5 de agosto do próximo ano, alguns nomes já parecem praticamente certos e devem aparecer nas urnas em 2022.

Por isso, o Pleno.News apresenta um resumo de quais são os nomes que já aparecem na lista de concorrentes, sejam aqueles cujas pré-candidaturas já estão confirmadas pelos próprios postulantes e/ou pelas legendas em que estão filiados, sejam aqueles cujos nomes sejam dados como certos no mundo político.

Confira:

JAIR BOLSONARO (PL)
O atual presidente da República se filiou ao Partido Liberal (PL) no dia 30 de novembro de 2021 e, apesar de ainda não ter realizado um evento oficial de lançamento de pré-candidatura, já é considerada uma certeza que ele será candidato à reeleição neste ano. Em 2018, Bolsonaro foi eleito em segundo turno com mais de 57 milhões de votos.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA (PT)
Presidente entre 2003 e 2010, Lula não concorreu em 2018, pois havia sido preso por conta do processo do triplex do Guarujá. Em abril de 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou as condenações contra ele, permitindo ao petista a possibilidade de concorrer no próximo ano. Apesar disso, ele ainda não confirmou de forma oficial sua candidatura.

SERGIO MORO (Podemos)
Ex-juiz responsável pela operação Lava Jato no Paraná e ex-ministro da Justiça, Moro se filiou ao Podemos em novembro de 2021. Após deixar o governo fazendo críticas ao presidente Jair Bolsonaro, Moro tem intensificado essa postura como pré-candidato, condição que é bancada pela cúpula do Podemos, que o tem como o nome para este pleito.

JOÃO DORIA (PSDB)
O governador de São Paulo tenta ser o principal representante da chamada “terceira via” na eleição para presidente. No dia 27 de novembro de 2021, Doria venceu as prévias internas do PSDB e foi anunciado como o pré-candidato tucano para 2022. A disputa foi marcada por muitos conflitos entre ele e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

CIRO GOMES (PDT)
Candidato pelo partido em 2018, quando conquistou 13,3 milhões de votos, Ciro tem sido o candidato que “dispara em todas as direções”, fazendo críticas tanto ao presidente Jair Bolsonaro quanto a outros pré-candidatos, como Lula e Sergio Moro. Ciro chegou a suspender a pré-candidatura após a votação da PEC dos Precatórios, mas voltou atrás.

RODRIGO PACHECO (PSD)
O presidente do Senado se filiou ao seu atual partido, o PSD, em outubro do ano passado. Na ocasião, o presidente da sigla, Gilberto Kassab, falou em Pacheco como pré-candidato. Semanas depois, em um evento do PSD, o presidente do Congresso foi celebrado como um candidato ao Planalto. Apesar disso, ele ainda não confirmou a pré-candidatura.

SIMONE TEBET (MDB)
Senadora pelo Mato Grosso do Sul, a parlamentar foi anunciada pelo MDB como pré-candidata do partido no fim de novembro de 2021. Ao longo do ano passado, Tebet ganhou repercussão no noticiário político por participar com frequência da CPI da Covid, como representante da bancada feminina no Senado.

ALESSANDRO VIEIRA (Cidadania)
Senador por Sergipe, Vieira anunciou em setembro que seria pré-candidato ao Planalto. Delegado da Polícia Civil, o parlamentar foi outro a conquistar notoriedade ao longo de 2021, por conta de sua participação na CPI da Covid, especialmente como parte da oposição ao governo federal no colegiado. Está no primeiro mandato no Congresso.

ANDRÉ JANONES (Avante)
Deputado federal pelo estado de Minas Gerais, Janones foi escolhido pelos diretórios do partido, em novembro de 2021, como o pré-candidato do Avante na eleição para presidente. Advogado de formação, André está no seu primeiro mandato no Congresso.

FELIPE D’ÁVILA (Novo)
Escolhido pelo Novo no início de novembro do ano passado, o cientista político Felipe d’Ávila é o pré-candidato da legenda à Presidência da República. Caso a candidatura seja confirmada, será a segunda vez que o Novo participará de uma eleição presidencial. Em 2018, o ex-presidente da sigla João Amoêdo ficou em quinto lugar, com 2,5% dos votos.

LEONARDO PÉRICLES (UP)
Representante do Unidade Popular (UP), partido mais à esquerda no espectro político entre os pré-candidatos conhecidos até agora, Leonardo Péricles tem 40 anos e mora em Belo Horizonte (MG), em uma ocupação urbana. Ele também é o presidente oficial da sigla.

Fonte: Pleno News