Paralisada desde 2020 devido à Covid-19, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) deve retornar em fevereiro deste ano e concentrar sua atuação nas eleições de 2022.

Segundo o presidente do colegiado, senador Angelo Coronel (PSD), uma das ideias é criar parcerias com Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com o Ministério Público Federal (MPF) e com a Polícia Federal.

Formado em 2019, o colegiado conta com 16 deputados e 16 senadores. Inicialmente, a comissão dispunha de 180 dias para finalizar seus trabalhos, mas o prazo foi prorrogado em abril de 2020, quando a CPMI já estava paralisada em razão da pandemia. Agora, a retomada depende do aval do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD).

Inicialmente, as investigações da CPMI concentraram-se nos disparos de mensagens durante as eleições de 2018 e também na atuação conjunta de perfis contra pessoas e instituições.

Porém, segundo relatou o presidente da comissão ao portal G1, a partir de sua retomada, o colegiado deve focar suas apurações na ação de grupos que possam tentar influenciar os resultados das eleições e no combate à desinformação eleitoral.

– A CPMI pode ser uma ponte entre essas instituições e a sociedade. Será uma rede de compartilhamento. É possível e já fizemos isso antes. O ano eleitoral pede que a gente assegure eleições limpas, tranquilas e sem ataques difamatórios contra adversários. Nosso papel, dentro da comissão, vai ser garantir mais um espaço de fiscalização e controle – declarou Angelo Coronel.

Fonte: Pleno News