Às vésperas de estrear sua 22ª edição, o Big Brother Brasil segue causando curiosidades nos telespectadores. Uma delas é sobre política, tema quase nunca abordado pelos participantes. Afinal, pode falar de política dentro do reality?

Segundo o colunista Leo Dias, pode: não há regra proibindo os participantes de se posicionarem politicamente ou até mesmo defender um político em particular. É possível, inclusive, que a polarização do ano eleitoral seja levada para dentro da casa, com os brothers e sisters tentando ganhar o público através da afinidade política.

Ainda de acordo com Leo, os participantes dos últimos anos foram escolhidos pensando justamente nessa politização, com concorrentes com perfis e visões distintas. Este ano não deve ser diferente. Isto porque, diz o colunista, os confinados desta edição foram selecionados por causa de seus posicionamentos antagônicos – tanto no lado da “pipoca” (dos anônimos), quanto no lado “camarote” (que reúne celebridades e famosos).

Na última edição, alguns participantes decidiram se arriscar e declarar abertamente suas preferências política. Gilberto Nogueira, o Gil do Vigor, não escondeu sua afeição por Lula. Arthur Picoli, ao contrário do que muitos acreditavam, também declarou voto no petista. Já Sarah Andrade demonstrou afinidade com Jair Bolsonaro, sem citar o nome do presidente – e foi amplamente criticada pelo público do reality.

O BBB 22 estreia na próxima segunda-feira (17), após a novela das 21h.

Fonte: Pleno News