Segundo o jornal Campo Grande News, a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul investigará uma denúncia de tentativa de estupro, que teria ocorrido dentro do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores (PT), em Campo Grande.

O caso teria acontecido no dia 27 de novembro, durante uma confraternização dos integrantes do partido. A jovem, que teria sido alvo da tentativa de abuso, é filiada da legenda.

Ainda de acordo com o jornal, “a vítima, que estaria embriagada, teria sido levada por um homem para uma das salas do local” onde o suspeito tentou abusar dela.

Outros participantes teriam interrompido o crime.

A direção do partido teria se pronunciado por meio de nota. O texto, que segundo o jornal é assinado pelo presidente estadual da legenda, Vladimir Ferreira, destaca que o PT tem prestado apoio jurídico, psicológico e emocional à vítima.

– No entanto, diante do pedido da própria vítima, temos atuado de maneira discreta para preservá-la, principalmente emocionalmente. Já é bem conhecido que, em casos de violência contra a mulher, a tendência é que tentem culpabilizar a própria vítima ou minimizar o acontecido.

A nota ressaltou também que “o caso foi levado à Polícia Civil pelo coletivo feminino do partido e a equipe prestará todo apoio psicológico à jovem.”

O homem acusado do crime escreveu uma carta ao PT e “justificou que o ato está sendo tratado politicamente e foi denunciado por uma amiga próxima da vítima apenas por terem a ideologia política oposta”, conforme reportou o Campo Grande News.

– Em nenhum momento tive a intenção ou tentei ser desrespeitoso, mas ela vendo alguma atitude minha, peço sinceras desculpas. Apenas fiquei com ela, um beijo, nada mais. Estávamos bebendo e ela próxima a mim, nós brincando, uma atitude mais de amizade que qualquer outra intenção. Ela sorriu, disse que depois iríamos, depois a chamei novamente e fomos, subimos até uma sala e ali nos beijamos e em seguida ela quis descer e tudo tranquilo. Esse fato acima descreve minha ação e ato, o companheiro subiu até o andar de cima e nos viu ficando. Coisa de minutos. Hoje, recebi várias mensagens de uma amiga me acusando de assédio, dizendo coisas que não sou e falando de crime, isso se dá mais por diferenças políticas que tenho com ela e por ela não estar desempenhando atividades no DCE/UEMS – disse o suspeito.

Fonte: Pleno News