O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou um pedido feito pela defesa do ex-ministro Sergio Moro e manteve válido o depoimento prestado pelo presidente Jair Bolsonaro à Polícia Federal (PF) no âmbito do inquérito que apura a suposta interferência política dele na corporação, aberto em razão de acusações feitas pelo ex-juiz da Lava Jato.

Os advogados de Moro questionaram ao Supremo Tribunal Federal a forma como o depoimento do presidente foi colhido e reclamaram que a fala do chefe do Executivo foi restrita apenas ao órgão. Moraes, porém, manifestou-se a favor da validade da oitiva de Bolsonaro, em concordância com o posicionamento da Procuradoria-Geral da República (PGR).

– O Ministério Público Federal, titular da ação penal pública e destinatário da prova colhida, não vislumbrou qualquer irregularidade no procedimento adotado pela autoridade policial para a oitiva do presidente da República nestes autos, de modo que o inconformismo manifestado, além de extemporâneo, não merece êxito – disse Moraes.

De acordo com a PGR, em documento assinado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, não se verificou “qualquer irregularidade no procedimento adotado pela autoridade policial quando da realização da oitiva de Jair Bolsonaro”.

Em agosto, Moraes já havia decidido que não era necessário que outras partes acompanhassem o depoimento de testemunhas.

Fonte: Pleno News