O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, descartou a possibilidade de uma greve de caminhoneiros de grandes proporções. Em discurso durante uma palestra, na semana passada, Tarcísio afirmou que a mobilização de motoristas marcada o próximo dia 1º foi convocada por “meia dúzia de lideranças”, que teriam o costume de “chamar greves” frequentemente.

– São meia dúzia de líderes que toda hora chamam greve, a cada duas semanas os caras chamam greve. E eles tentam aproveitar o que aconteceu em 2018, mas o que aconteceu em 2018 não vai acontecer tão cedo. A turma que financiou 2018 tá fora. Então esse é nosso único desafio, não deixar bloquear rodovia. Se não deixar bloquear rodovia, com o excesso de oferta [de caminhões] que nós temos, se meia dúzia de caras pararem de trabalhar, qual vai ser o efeito pra nós em termos de mercado? Zero, nenhum. Então, qual a possibilidade de ter greve como em 2018? Zero, nenhuma, não vai ter. Ficam tentando chamar greve pela imprensa, mas não vai ter greve – disparou o ministro.

Para Tarcísio, não há apoio das empresas de transporte – que dominam o setor – à greve.

– Mais de dois terços do transporte está na mão das empresas de transporte, não são autônomos – apontou.

Ainda segundo o ministro, as notícias sobre uma greve iminente são insufladas pela mídia.

– Não podemos deixar bloquear rodovias. Esse é nosso desafio. Se meia dúzia parar, o efeito é zero. […] Eles chamam greve e a imprensa morde a isca. Para a imprensa, quanto pior melhor, porque não gostam do governo – afirmou Tarcísio.

Em nota, o Ministério da Infraestrutura comentou o discurso do chefe da pasta.

“O Ministério da Infraestrutura esclarece que o ministro Tarcísio reafirmou, em palestra na Paving Export, na última semana, o seu posicionamento público em referência às ações setoriais adotadas pela pasta; a total abertura para o diálogo com todas as entidades que demonstraram interesse em fazer parte da formulação da política pública; o posicionamento de não negociar com qualquer indicativo de paralisação ou locaute; e sua opinião, de amplo conhecimento de todo o setor, sobre temas de interesse, como a tabela de frete e a necessidade de estimular a economia para fortalecer o mercado do transporte rodoviário de cargas. Diminuir o Custo Brasil significa baratear os custos com frete para toda a cadeia logística, incluindo os caminhoneiros.”

Fonte: Pleno News