Após mais de três horas de negociação, policiais militares e agentes do Detran, da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e de fiscalização do DF Legal não conseguiram desobstruir, na noite de quarta-feira (8), a Esplanada dos Ministérios, em Brasília. O local está bloqueado ao trânsito e ocupado por manifestantes apoiadores do presidente Jair Bolsonaro que ocuparam a área para o ato de 7 de setembro.

O governo do Distrito Federal mobilizou mais de 40 viaturas, entre elas máquinas pesadas e caminhões dos bombeiros.

Assim que o comboio da PM, do Detran, da SSP e da DF Legal se aproximou, os apoiadores do presidente da República, Jair Bolsonaro, sentaram-se enfileirados na pista e impediram a passagem. Eles não saíram mais do local.

– Temos que restabelecer a Esplanada – disse o coronel da PMDF Jorge Eduardo Naime, responsável pela operação e pelas negociações.

O secretário de Segurança Pública do DF, Julio Danilo Ferreira, também se deslocou até o local para tentar desmobilizar os manifestantes que pregam o impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal. Ele manteve conversas com representantes do grupo e da Presidência da República.

O objetivo era retirar da pista caminhões estacionados em duas das faixas em frente aos ministérios e remover uma cozinha que abastece com arroz carreteiro os acampamentos ao redor do Ministério da Agricultura.

Os manifestantes querem entregar ao presidente Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira (9), uma denúncia contra ministros do Supremo. O presidente irá receber os manifestantes, segundo o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ).

– Espero que amanhã [esta quinta-feira] o presidente receba esse documento que seria entregue ao Senado e [que] com esse compromisso cada caminhoneiro e chefe de família possa seguir sua vida – disse na quarta-feira o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), que negociava em defesa dos bolsonaristas, segundo ele, cansados e desgastados.

Ele pediu bom senso aos PMs e disse que “ninguém vai sair do acampamento”.

*AE

Fonte: Pleno News