Lula e Macron visitarão floresta amazônica nesta terça

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) receberá, nesta terça-feira (26), seu homólogo da França, Emmanuel Macron, para uma visita de três dias ao Brasil, com foco em questões ambientais, econômicas, energéticas e políticas.

O Ministério das Relações Exteriores definiu esses quatro pontos como os principais temas daquela que será a primeira visita oficial do presidente francês a um país latino-americano desde que assumiu o cargo, em 2017.

Esses eixos foram definidos pelas quatro cidades que Macron visitará no Brasil.

Sua primeira parada será em Belém, que em 2025 sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP30).

Depois, seguirá para o Rio de Janeiro, quando visitará um estaleiro onde está sendo desenvolvido um programa franco-brasileiro para a construção de submarinos, viajará para São Paulo para um evento de negócios e concluirá sua viagem em Brasília, com uma reunião puramente política com Lula.

UM CONTATO SIMBÓLICO COM A AMAZÔNIA
Em Belém, Macron terá seu primeiro contato com a Amazônia. Segundo o governo, a decisão se deve à preocupação do presidente francês sobre a necessidade de proteger as florestas tropicais.

Após a recepção oficial, embarcarão em um navio da Marinha, navegarão pela baía do Guajará e realizarão sua primeira reunião de trabalho a bordo.

Os dois presidentes irão à ilha de Combu, conhecerão projetos de desenvolvimento sustentável do cacau, se reunirão com líderes indígenas e até mesmo entrarão um pouco na floresta, de acordo com o Itamaraty.

A intenção de Lula é apresentar a Macron “a complexa realidade da Amazônia”, uma região com 25 milhões de habitantes que, segundo o presidente, deve ter acesso a “uma vida digna, com total respeito à biodiversidade”.

BRASÍLIA: GAZA, UCRÂNIA, VENEZUELA E O ACORDO MERCOSUL-UE
Macron encerrará sua visita na próxima quinta-feira (28) em Brasília, onde será recebido com honras de Estado e discutirá com Lula as questões regionais e globais mais espinhosas.

Na pauta, estão os conflitos no Oriente Médio e na Ucrânia, sobre os quais Lula e Macron têm percepções diferentes, e também a situação na Venezuela, que se aproxima das eleições de julho.

Fontes diplomáticas francesas afirmaram que Macron não pretende explicar sua rejeição às negociações paralisadas entre União Europeia e Mercosul, mas, do lado brasileiro, comenta-se que Lula insistirá no assunto.

Mesmo assim, a diplomacia brasileira reconhece que, pelo menos durante o primeiro semestre deste ano, devido às eleições parlamentares europeias que se aproximam, será “quase impossível” que as discussões sejam retomadas.

*Pleno News

Bruno Rigacci

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies