Governo Lula teme vitória de Milei, o “Bolsonaro argentino”

O governo brasileiro, sob a liderança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), está atentamente acompanhando o desenrolar das eleições na Argentina, com preocupações crescentes sobre a possível vitória do candidato Javier Milei, apoiado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

De acordo com informações veiculadas pelo jornal O Globo, quatro fontes de destaque no governo afirmaram que a avaliação atual é que, em caso de vitória de Milei nas eleições de outubro, a política de integração regional e o funcionamento do Mercosul seriam impactados de maneira significativa. A atual administração, encabeçada por Lula, tem cultivado relações próximas com os líderes de orientação política esquerdista dos países vizinhos. Uma vitória de um líder com perspectivas políticas opostas na Argentina seria considerada desfavorável para Lula e sua agenda política.

Segundo as fontes consultadas, o governo liderado por Lula está torcendo para que Milei seja derrotado nas eleições argentinas. No entanto, essas mesmas fontes reconhecem que existe a possibilidade real de que a vitória de Milei se concretize. Nesse cenário, o futuro político e as relações entre os dois países trilhariam caminhos desconhecidos e potencialmente desafiadores.

Um dos interlocutores chegou a expressar choque ao receber a notícia de que Milei saiu vitorioso nas Primárias Abertas Simultâneas e Obrigatórias (Paso), indicando a surpresa e a inesperada ascensão do candidato.

Javier Milei, líder da frente política A Liberdade Avança, é deputado e economista, frequentemente comparado ao ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro (PL). A sua vitória nas primárias abertas no último domingo (13) o coloca como o candidato mais votado, consolidando sua posição para a disputa presidencial. O embate eleitoral será travado entre Milei, Patricia Bullrich da coalizão opositora Juntos por el Cambio (Juntos pela Mudança) e o ministro da Economia peronista, Sergio Massa.

A possível vitória de Milei está lançando incertezas sobre a dinâmica regional e as políticas de cooperação entre Brasil e Argentina. O resultado das eleições argentinas terá implicações substanciais nas relações entre esses dois países vizinhos e nas alianças estabelecidas ao longo dos anos. A preocupação do governo brasileiro em relação a esse possível cenário ressalta a importância da estabilidade política na região e as complexas interconexões políticas e econômicas que moldam o cenário sul-americano.

Bruno Rigacci

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies