Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) apresenta resultados positivos antes de encerramento

Brasil

Em um anúncio feito pelo Ministério da Educação em dezembro de 2022, foi divulgada uma avaliação do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), que revelou resultados positivos em relação à transformação de escolas regulares para esse novo modelo.

Uma pesquisa abrangendo cerca de 25 mil pessoas da comunidade escolar constatou que a violência física nas escolas reduziu em impressionantes 82%, enquanto a violência verbal diminuiu em 75% e a violência patrimonial em 82%. Além disso, a mesma pesquisa revelou uma queda de quase 80% na taxa de evasão e abandono escolar. Um dado adicional e encorajador foi que 85% da comunidade escolar respondeu de forma positiva em relação ao ambiente escolar após a implementação do modelo do Pecim.

O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares foi instituído em setembro de 2019 com o objetivo de transformar escolas públicas de ensino regular que apresentavam baixos resultados no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e atendiam estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Ao longo do mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro, foram criadas 202 escolas cívico-militares em diferentes regiões do país. Do total, 39 unidades estão localizadas na região Norte, 26 na região Sul, 37 no Nordeste, 46 no Sudeste e 54 no Centro-Oeste. Essas escolas têm o potencial de atender a mais de 120 mil alunos.

No entanto, na quarta-feira (12), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou o encerramento do Pecim e a transferência progressiva dessas escolas para o modelo regular de ensino. O ministro da Educação, Camilo Santana, explicou que um dos motivos para o fim do programa foi a necessidade de mobilizar os recursos investidos em outras prioridades.

O encerramento do Pecim marca uma mudança na política educacional do país, trazendo questionamentos e debates sobre os modelos de ensino mais adequados para promover a qualidade e a igualdade de oportunidades na educação. Enquanto alguns comemoram os resultados positivos obtidos pelo programa, outros argumentam que os recursos investidos poderiam ser direcionados para outras áreas prioritárias.

Ainda assim, a experiência das escolas cívico-militares trouxe importantes aprendizados e reflexões sobre a segurança, disciplina e qualidade de ensino. Agora, resta acompanhar os desdobramentos e as medidas que serão adotadas para garantir a continuidade dos avanços alcançados nesse modelo educacional, bem como a busca por alternativas que possam beneficiar ainda mais os estudantes brasileiros.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *