Lula reabrirá embaixadas que foram fechadas por Bolsonaro

O novo governo Lula pretende reabrir as embaixadas do Brasil que foram fechadas durante a administração do presidente Jair Bolsonaro (PL), entre elas as representações do país na Venezuela, desativadas desde 2020. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (1°) pelo jornalista Jamil Chade, do UOL.

De acordo com a publicação, a pretensão do futuro governo foi levantada pelo ex-chanceler e ex-ministro da Defesa Celso Amorim, cujo nome é cogitado para assumir um papel central no desenho da política externa de Lula. Amorim faz parte do grupo de transição do petista.

Em 2020, as representações que tinham sido abertas pelo primeiro governo Lula nas cidades africanas de Freetown, em Serra Leoa, e Monróvia, na Libéria, foram fechadas e seus serviços foram deslocados para a embaixada do Brasil na cidade de Acra, capital de Gana. A ideia do novo governo petista seria retomar essas representações e ainda considerar países como Ruanda e Gâmbia.

No Caribe, as embaixadas que ficavam nas cidades de Saint George’s, em Granada; Roseau, na Dominica; Basseterre, em São Cristóvão e Névis; Kingstown, em São Vicente e Granadinas; e Saint John, em Antígua e Barbuda; também deixaram de existir em 2020 e tiveram suas funções acumuladas na representação brasileira na cidade de Bridgetown, em Barbados.

Já na América do Sul, a administração petista pretende reativar a embaixada do Brasil em Caracas e os consulados e vice-consulados espalhados pela Venezuela. As representações foram fechadas em 2020 em meio à forte oposição do governo Bolsonaro em relação à administração de Nicolás Maduro.

Fonte: Pleno News

Bruno Rigacci

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site! ACEPTAR
Aviso de cookies