Neste domingo (1º), o secretário de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, pediu que os migrantes desistam de tentar entrar no país pela fronteira sul. Ele deu declarações durante uma entrevista à CNN.

– Não venham, a fronteira não está aberta – falou.

Mayorkas usou a mesma frase que havia utilizado um ano antes. No auge da crise migratória, ele tentou dissuadir as pessoas de viajar para os EUA. A mesma expressão também foi já foi utilizada pelo vice-presidente dos EUA, Kamala Harris.

Segundo Mayorkas, a mensagem agora é “a mesma, porque a fronteira não está aberta”.

Ele lembrou que o Título 42 (regra sanitária aprovada no início da pandemia que permite a rápida remoção de migrantes nas fronteiras terrestres dos EUA) ainda está em vigor, bem como as regras de imigração que impedem qualquer pessoa sem uma autorização de entrada “válida”.

Acima de tudo, o secretário frisou que as pessoas “não devem colocar as suas vidas em risco ou nas mãos” das máfias do contrabando de migrantes.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA anunciaram recentemente o seu plano de rescisão do Título 42, em 23 de maio, embora em 27 de abril um juiz do estado americano da Louisiana tenha suspendido por 14 dias os preparativos do governo para dar fim à regra. O magistrado marcou uma audiência para 13 de maio, quando poderá tomar uma decisão final sobre o futuro do Título 42.

Nos primeiros seis meses do atual ano fiscal, que começou em outubro de 2021, as autoridades apreenderam pouco mais de um milhão de imigrantes na fronteira sul. Desse grupo, 549 mil foram retirados do país com base no Título 42, de acordo com a agência de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA.

Na entrevista deste domingo, Mayorkas assegurou que o governo se prepara para diferentes cenários possíveis e, consequentemente, apresentou um plano de seis pontos para reforçar a fronteira com o México.

Dadas as previsões de que poderá haver até 18 mil migrantes por dia quando a referida regra for suspensa, ele reconheceu que esse número colocaria uma “pressão” significativa sobre o sistema. No entanto, por essa razão, ele disse que o governo se prepara há meses e trabalha com parceiros na fronteira sul porque é um “problema regional” que requer o esforço de todos.

*EFE

Fonte: Pleno News