A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, participou de um jantar com 30 grandes empresários e executivos do setor financeiro na última segunda-feira (4). Segundo participantes do encontro relataram à CNN Brasil, os empresários saíram do evento preocupados com a política econômica de Lula.

De acordo com um dos presentes, o “clima foi cordial, mas o conteúdo foi horroroso”. O discurso de Gleisi foi comparado pela fonte com a política econômica de Dilma Rousseff, que hoje o PT tenta encobrir na campanha de Lula.

Na ocasião, Gleisi estava acompanhada do economista Gabriel Galípolo, ex-presidente do Banco Fator. O jantar foi realizado na casa do empresário João Camargo, do grupo Esfera Brasil. Esse foi o primeiro de vários encontros que o setor privado realizará com presidenciáveis. Segundo a Folha de S.Paulo, parte dos convidados possui uma forte proximidade às políticas do presidente Jair Bolsonaro.

Entre os pontos abordados por Gleisi, que foram considerados problemáticos por empresários, está o discurso contrário às privatizações e a defesa de que o Estado deve ser o gerador de crescimento do país.

– Somos contra as privatizações. Hoje o investimento está em 14% do PIB, porque as estatais estão sendo vendidas e não fazem o papel de indutor dos investimentos – teria declarado Gleisi na ocasião.

A dirigente do PT ainda afirmou ser contra a reforma administrativa e criticou o lucro da Petrobras. Ela também classificou a remuneração da diretoria da petroleira como um “absurdo”: “Meu Deus para que tanto?”, teria dito Hoffmann.

Outra fala de Gleisi, que desagradou parte da plateia, foi seu aceno à retomada dos investimentos públicos em refinarias de petróleo para amenizar o preço dos combustíveis.

Na avaliação de participantes ouvidos pelo periódico, o “ponto alto” do evento foi quando Gleisi afirmou que Roberto Campos Neto será mantido no posto de presidente do Banco Central.

Fonte: Pleno News