Neste sábado (12), o presidente Jair Bolsonaro criticou a política de preços da Petrobras, e apontou o “lucro absurdo” que a empresa “tem em um momento atípico do mundo”. Ele disse que “qualquer um pode ser trocado no governo”, mas garantiu que não vai “interferir no mercado”.

A declaração foi dada a jornalistas após participar de um evento de filiação de deputados ao PL.

– Eu tenho uma política de não interferir, sabendo das obrigações legais da Petrobras. Mas, para mim, particularmente falando, é um lucro absurdo que a Petrobras tem em um momento atípico do mundo (…) Não estou satisfeito com o reajuste, mas não vou interferir no mercado – explicou.

Bolsonaro então falou que suas declarações são apenas sugestões e que quem decide o valor do reajuste é a diretoria da Petrobras.

– Isso não é interferência, sugestões apenas (…) [mas] o brasileiro tem que entender que quem decide esse preço não é o presidente da República, é a Petrobras, com seus diretores e seu conselho – destacou.

A declaração ocorre após a Petrobras decidir reajustar o preço dos combustíveis, após pós 152 dias sem um aumento. No total, a gasolina teve alta de 18,7%; o diesel de 24,9%; e o gás de cozinha de 16%. Segundo a Petrobras, o movimento “vai no mesmo sentido de outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda”.

Sobre o reajuste, o presidente falou sobre a política de preços da empresa, que vincula o valor do petróleo ao dólar, e disse que “esse atrelamento é bom para o mercado e para os acionistas, mas é péssimo para o consumidor brasileiro”.

– Não pode a Petrobras trabalhar exclusivamente visando o lucro num mundo em crise, com os preços dos combustíveis bastante alto aqui no Brasil – apontou.

Fonte: Pleno News