Em meio à segunda semana de conflitos na Guerra na Ucrânia, protestos contra a invasão russa são vistos em várias áreas e em diversas partes do mundo. A cozinha não fica de fora. O Bar da Dona Onça, localizado no Centro de São Paulo, decidiu retirar o famoso estrogonofe do cardápio como um ato de solidariedade à Ucrânia e à história da Rússia, onde milhares de cidadãos discordam da postura adotada pelo presidente do país.

– Povos russos estão sofrendo e envergonhados com a situação. É uma forma de falarmos que eles não estão sozinhos, já que eles não podem falar porque vivem em uma ditadura. Cabe a nós protegê-los também – contou Janaína Rueda, chef do restaurante.

A ideia surgiu assim que a Rússia invadiu o território ucraniano Janaína, que faz um trabalho educacional em escolas públicas através de pratos de diferentes nacionalidades, utilizava o estrogonofe como peça-chave para abordar a Segunda Guerra Mundial.

– Isso é um protesto. É sobre a cozinha ser ferramenta de educação política – defendeu.

E continuou.

– Temos o intuito de alertar os povos que uma nação não é representada por um homem megalomaníaco, ela é representada por sua história cultural – refletiu a chef.

A receita do estrogonofe nasceu na Rússia dos czares, no século 19, e no início era um prato sofisticado.

De lá para cá, foram várias versões – e diferentes histórias de qual seria a receita original. A mais provável é que teria sido a criação de um cozinheiro francês chamado Charles Briere, que trabalhava para uma família nobre de São Petersburgo, os Stroganoff. Daí o nome do prato.

Um bar de São Paulo, o Levels Lounge Ba,r também adotou um protesto similar e mudou o nome do popular drink ‘Moscow mule”, que passou a se chamar ‘Kiev mule’, em referência à Ucrânia.

*AE

Fonte: Pleno News