Apesar de ter passado os últimos meses negando a possibilidade de abrir mão de sua candidatura à Presidência, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), admitiu, em um discurso feito nesta terça-feira (22), a possibilidade de, “mais adiante”, optar por não ser candidato em nome da viabilidade de uma “terceira via”. O tucano tem patinado nas pesquisas eleitorais recentes.

– Se chegar lá adiante e, lá adiante, eu tiver de oferecer o meu apoio para que o Brasil não tenha mais essa triste dicotomia do pesadelo de ter Lula e Bolsonaro, eu estarei ao lado daquele ou de quantos forem os que serão capacitados para oferecer uma condição melhor para o Brasil – disse.

Doria, que deu a declaração durante um evento promovido pelo banco BTG Pactual com investidores, afirmou ainda que acredita que sua pré-candidatura, junto com a do ex-juiz Sergio Moro (Podemos) e a da senadora Simone Tebet (MDB) formam um “centro democrático” e que as três devem convergir para um único nome no futuro.

– Hoje [terça, 22] conversei com a Simone Tebet, por quem tenho muita admiração (…). Ela tem de manter a candidatura, o Sergio [Moro] tem de manter a candidatura dele, a nossa também, (…) até o esgotamento do diálogo pelos líderes partidários (…). Lá adiante, diante das circunstâncias, verificarmos quem pode, quem precisa abrir mão – declarou.

Após a declaração de Doria, o ex-ministro da Justiça e pré-candidato à Presidência Sergio Moro (Podemos) também defendeu a união da chamada “terceira via”, mas disse que “não faz sentido” abrir mão de sua pré-candidatura.

Fonte: Pleno News