O vereador Carlos Bolsonaro usou as redes sociais, neste domingo (2), para se pronunciar a respeito da Secretaria de Cultura, que avalia reduzir o teto da Lei Rouanet em 50%.

– Agora os galináceos que receberam mais de R$ 13 bilhões do contribuinte sem qualquer auditoria, em mais de 20.000 projetos, vão cacarejar como se tivessem botando ovo – escreveu ele, no Twitter.

Na publicação, ele marcou o secretário de Incentivo e Fomento à Cultura, André Porciuncula, e o secretário especial de Cultura, Mario Frias.

Frias respondeu e afirmou que “o desmame é doloroso”.

Porciuncula, responsável pelo setor que lida com a Lei Rouanet, afirmou nas redes sociais, no sábado (1º), que está avaliando uma redução de 50% no teto das verbas repassadas via Lei de Incentivo à Cultura. Ele comentou sobre o assunto no Twitter.

– Tenho conversado com o [secretário] Mario Frias, creio que seja o momento de uma redução de 50% no teto da Rouanet. Isso permitirá uma descentralização ainda maior dos recursos e beneficiará ainda mais os pequenos artistas. Em 2022, vamos ampliar o acesso desses pequenos agentes culturais – escreveu Porciuncula.

O secretário também alfinetou o que chamou de “elite artística arrogante e pedante”.

– Iremos reduzir, pulverizando os recursos para os pequenos artistas. Este é um governo dos pequenos. Acabou a época em que a Rouanet sustentava uma elite artística arrogante e pedante – disparou.

Após a repercussão da notícia, Porciuncula passou rebater artistas que afirmavam que a Lei Rouanet servia para pagar salário de artistas. Entre os descontentes estava o ator José de Abreu.

– A arrogância típica dos ignorantes. A Lei Rouanet não é caixa eletrônico de artista, apesar do que sua turma tentou fazer com ela. A lei é para tutelar a cultura nacional, museu, patrimônio histórico, cultura popular e tantas outras atividades que não são a mamata que gostava.

 

Fonte: Pleno News