Um relatório divulgado pela consultoria Eurasia nesta quinta-feira (28) aponta que o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, não será favorito no grupo de candidatos que tentam se viabilizar como uma opção de “terceira via” na eleição presidencial de 2022. Após se filiar ao Podemos no dia 10 de novembro, a expectativa é de que o juiz entre na corrida eleitoral do próximo ano.

Na análise que foi enviada pela consultoria a clientes, a Eurasia diz que Moro “certamente adicionará ainda mais drama para a campanha das eleições de 2022”, mas diz que a influência do ex-juiz sobre o cenário eleitoral é “menor do que parece”.

A consultoria ainda ressalta que Moro iniciará a campanha com uma base de votos relativamente pequena e com uma alta rejeição, fruto das revelações de conversas dele com procuradores da Lava Jato e da briga que teve com o presidente Jair Bolsonaro. A Eurasia diz que a credencial de Moro contra a corrupção também parece ter perdido brilho nos últimos anos.

– Muitos [dos candidatos da terceira via] irão abrir mão de suas campanhas e apoiar o nome mais competitivo do campo centrista. Moro pode ser esse candidato, mas suas credenciais políticas não fazem com que ele seja o favorito para liderar uma frente única; portanto, é possível que ele saia da disputa e apoie um nome diferente – aponta o relatório.

Por fim, a Eurasia ainda destaca, na mesma análise, que uma eventual candidatura de Rodrigo Pacheco dificilmente decolaria antes do início das propagandas políticas na televisão, previstas para setembro de 2022. A consultoria também aponta que a maioria dos tucanos consultados pelo grupo asseguram que Eduardo Leite vencerá João Doria nas prévias do PSDB.

Fonte: Pleno News