Após anunciar que deixaria a carreira de artista para concorrer a deputado federal pelo PT do Rio de Janeiro, nas eleições do ano que vem, o ator José de Abreu tem dado mais detalhes sobre os planos dentro da política. Em entrevista ao portal Metrópoles, o polêmico veterano comentou sobre o impacto que a decisão terá em sua vida profissional, uma vez que ele está escalado para a próxima novela da Globo das 21h, Segundo Sol.

– Não tenho medo [das consequências]. Pela primeira vez, Globo e eu estamos do mesmo lado. O canal, obviamente, não apoia o governo Bolsonaro. Estamos do mesmo lado, fazendo oposição. Se é que a Globo tem uma posição política… Mas pelo ódio que o Bolsonaro tem dela, a perseguição de bolsonaristas a funcionários da casa, como o caso do cinegrafista agredido em Aparecida (SP), tudo isso demonstra como é essa relação – afirmou.

Abreu foi um dos muitos funcionários que tiveram o contrato modificado com a Globo no ano passado. Agora, o vínculo do ator com a emissora é fechado por obra, ou seja, não é mais fixo.

Questionado se pode haver algum conflito entre sua participação no folhetim Um Lugar ao Sol e sua candidatura, Abreu se mostra otimista. Segundo ele, a novela já está toda gravada e deve ficar no ar até abril.

– Acredito que não terá problema. As convenções de partido serão depois disso – declarou.

Amigo pessoal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Abreu revelou que o líder petista não concorda com sua candidatura, por entender que ele pode ter mais influência como artista do que como político. No entanto, o ator é taxativo: “Lula não quer, mas o partido quer”.

– Eu já estava a fim [de ser candidato], justamente, por causa do efeito Bolsonaro. Eu sempre falava não, porque adoro representar, mas, realmente, esse momento histórico que a gente vive exige um certo sacrifício. É uma pulsão que eu tenho pelo país que a gente está vivendo – disse.

Fonte: Pleno News