RS: Guaíba fica abaixo da cota de inundação pela 1ª vez em 1 mês

Cidades

Pela primeira vez em aproximadamente um mês, o nível das águas do Rio Guaíba, em Porto Alegre (RS), ficou abaixo da cota de inundação. No entanto, a região ainda corre risco de enchentes nos próximos dias, de acordo com informações divulgadas pela Agência Nacional de Águas (ANA) e o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

O nível do Guaíba recuou para abaixo da cota de inundação, de 3,60 metros, por volta das 5h da manhã, quando atingiu 3,58 metros. A leitura mais recente, publicada às 9h15, marcava 3,53 metros, indicando que o nível das águas continuava a cair. Em 5 de maio, quando alcançou o nível mais alto do atual período de enchentes, o Guaíba chegou a 5,35 metros.

Apesar do recuo das águas, o risco de enchentes na região metropolitana de Porto Alegre permanece alto, segundo o Cemaden. O órgão citou em boletim a continuidade dos processos hidrológicos de inundação “em função da propagação da onda de cheia proveniente das bacias hidrográficas dos rios Jacuí, Taquari, Caí e Sinos, localizados à montante do Lago Guaíba”.

O Cemaden ressalta que as bacias estão “acima da cota de alerta”. Em outras regiões do Rio Grande do Sul, o risco é ainda maior. O órgão destaca os municípios banhados pela Lagoa dos Patos.

Em Pelotas, por exemplo, a medição mais recente na região de Laranjal apontava que, às 8h, a lagoa estava a 2,43 metros, bem acima da cota de inundação, de 1,70 metro.

O Cemaden alerta que o risco hidrológico poderá se agravar devido à permanência do deflúvio elevado proveniente do Lago Guaíba, cujo nível elevado pode ser acentuado pelas condições dos ventos, e devido à possibilidade de elevação dos níveis dos rios nas bacias dos rios Camaquã, Arroio Fragata e Canal São Gonçalo, rio Piratini, Arroio Grande e Jaguarão.

Mesmo com a diminuição do nível das águas, os números sobre o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul continuam a aumentar. Dados divulgados pelo governo do Estado apontaram que o número de municípios afetados subiu de 473 para 475, e a população atingida cresceu de 2,35 milhões para 2,39 milhões.

O número de mortos pelas enchentes também cresceu – de 169 para 171. Houve queda, no entanto, no total de desaparecidos (de 44 para 43) e de pessoas em abrigos (39.595 para 37.812). Os desalojados seguem em 580.111. Esses números ressaltam a gravidade da situação e a necessidade de medidas eficazes para mitigar os efeitos das enchentes.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *