Ex-ministro da Justiça entre 2019 e 2020, o ex-juiz Sergio Moro falou sobre o assunto durante uma entrevista ao jornal Gazeta do Povo. Moro disse que não se arrepende de ter aceitado o convite para o cargo e que tinha o objetivo de “contribuir” com uma transformação do país.

O ex-juiz ocupou o cargo até abril de 2020. Na época, ele chegou a convocar uma entrevista coletiva para anunciar que estava saindo do governo e acusou o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal (PF).

Ao ser questionado sobre o tempo que passou no governo, o ex-ministro da Justiça disse que teve uma atuação “bem-sucedida em parte”.

– Não me arrependo. Acolhi o convite com a expectativa de contribuir para uma transformação para o Brasil, de implementar uma agenda importante. Em parte, a gente foi bem sucedido, principalmente no que se refere ao combate ao crime organizado e à redução da criminalidade violenta – apontou.

Ele então falou sobre sua saída do comando do Ministério da Justiça

– Minha agenda anticorrupção acabou não sendo possível ser realizada por questões políticas e deixei o governo porque eu entendia que tinha que manter a minha coerência – destacou.

Moro também disse que nunca afirmou que Bolsonaro havia “cometido crime”.

– Isso foi uma iniciativa do procurador-geral da República, que quis abrir um inquérito para apurar aquele fato. Eu disse que havia uma mudança na direção da Polícia Federal com a qual não concordava – ressaltou.

Fonte: Pleno News