Pedro Possa, um dos advogados de Adélio Bispo, autor da facada em Jair Bolsonaro nas eleições de 2018, contou que o financiador da defesa de Adélio o faz por “amor ao próximo”. De acordo com Possa, o benfeitor pediu para ser mantido em anonimato.

– É uma pessoa ligada a ele [Adélio] religiosamente. Eu não sei a identidade dela, só o doutor Zanone [Muriel, que está à frente da defesa do caso] que sabe, teve contato com ela. Mas não há mandante, um financiador, ninguém que tinha conhecimento prévio dessa ação perpetrada pelo Adélio. Somente ao saber da facada é que ele se dispôs a ajudá-lo por uma questão de amor ao próximo, vamos assim dizer – disse o advogado em entrevista ao Uol News, nesta sexta-feira (12).

Quanto ao anonimato, o advogado disse que a pessoa tem medo de sofrer represálias por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

– Foi celebrado no contrato entre ambos, o doutor Zanone e essa pessoa, de que a identidade dela não seria revelada exatamente para poupá-la, tanto de sofrimento, ameaça, o que quer que seja – disse Pedro Possa.

O caso da facada voltou à tona no inicio deste mês quando a segunda seção do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, derrubou restrições que impediam a continuidade das investigações.

A disputa judicial está na autorização, dada em primeira instância, cassada por liminar em segunda instância e agora restabelecida pelos desembargadores em colegiado, da quebra do sigilo bancário de Zanone Manuel de Oliveira Júnior, advogado de Adélio.

Fonte: Pleno News